Os desafios da indústria de fundos

Somos a décima maior indústria de fundos de investimento do mundo com R$ 3,6 trilhões de patrimônio líquido e mais de 15 mil fundos registrados. O volume financeiro sob gestão supera 50% do PIB, e os fundos têm importante papel como aglutinadores de poupança e como instrumentos de dívida, seja ela pública, seja privada. Os números são expressivos, mas ainda temos enorme potencial para crescimento.

Nesse processo de expansão, nossa indústria de fundos não pode deixar de olhar para alguns aspectos. São desafios e oportunidades que impactarão resultados e modelos de negócios. Seguem abaixo alguns deles:

Novas tecnologias

As plataformas eletrônicas, fintechs e robo-advisors, não são tendências para o futuro. Já são realidade. Modelos de negócios fortemente baseados em tecnologia estão exercendo grande impacto sobre a indústria de fundos. As soluções de inteligência artificial podem ser grandes aliadas dos gestores de investimento, facilitando a vida das instituições com a capacidade de agregar inúmeras informações sobre os clientes. O papel da indústria de fundos é entender e acompanhar esse movimento, sem inibir o desenvolvimento da tecnologia e sempre zelando pela proteção do investidor e pela solidez do segmento. Como as novas tecnologias podem revolucionar os modelos de negócios? Quais são as tendências para a indústria de fundos?

Tributação

Nos últimos 20 anos, foi crescente a utilização de benefícios fiscais no país para desenvolver setores específicos. A assimetria tributária não se dá apenas entre ativos e fundos na isenção de imposto de renda ou no come-cotas. A indústria de fundos não pode crescer sem deixar de olhar para o tema tributação. Como construir um modelo que traga simplificação, coerência e simetria regulatória?

Ambiente de mercado

A regulamentação dos ETFs (Exchange Traded Funds) de renda fixa trouxe um conjunto de oportunidades para a indústria de investimento. Quais os são desafios para as gestões ativa e passiva frente ao atual cenário de queda de juros e à maior presença dos ETFs? Como as condições estruturais do país – incluindo o baixo volume de ativos à disposição – impacta a vida dos gestores?

Previdência aberta

Em 2016, a captação líquida da indústria de fundos foi de R$ 109,1 bilhões, impulsionada pela categoria previdência, que sozinha captou R$ 48,2 bilhões. Foi o maior volume anual já registrado por essa categoria, indicando a crescente atratividade desses fundos como alternativa para formação de poupança previdenciária complementar. Como a reforma da previdência social impacta a indústria de fundos e quais as possibilidades que se abrem a partir das mudanças?

Investimento em infraestrutura

Os fundos de investimento são geridos por profissionais com poder discricionário para a seleção de ativos e expertise para a definição de estratégias. Esses fundos representam uma importante alternativa para o funding de investimentos em infraestrutura e aporte nos financiamentos de longo prazo. Como assegurar maior participação do mercado de capitais nos projetos de financiamento? Como os fundos podem ganhar espaço?

Todas essas perguntas estarão em debate em diversos painéis e sessões paralelas que ocuparão os dois dias do 9º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento, nos dias 10 e 11 de maio, em São Paulo.